Patrocinadores Patrocinador

História

Formação
aaiguacu-primeiraformacao

aaiguacu-primeirotime
Iguaçu-time-70

Como tudo começou

Em 1971, abnegados do futebol, encabeçados pelo então Coronel Ricardo Gianordolli, comandante na época do 5º Batalhão de Engenharia de Combate em Porto União-SC, cidade irmã de União da Vitória, reuniram-se naquele Batalhão e decidiram fundar uma equipe profissional que representasse as duas cidades vizinhas, enfim estava fundada a Associação Atlética Iguaçu mais precisamente em 15 de agosto de 1971, a associação tendo como primeiro presidente o Coronel Gianordolli.

Formada a equipe, surge a primeira dúvida: qual Campeonato disputar, Paranaense ou Catarinense? Sem muita demora, a primeira opção foi escolhida. Sendo assim, apenas quatro meses após a entidade despontar para o mundo do futebol, o Iguaçu estreou no torneio Estadual do Paraná.
O primeiro Campeonato disputado teve seu início antecipado para o mês de novembro de 1971. E no dia 14 de novembro de 1971, a A.A.Iguaçu fazia sua estréia em competições oficiais no Campeonato Paranaense.

O primeiro Campeonato disputado teve seu início antecipado para o mês de novembro de 1971. E no dia 14 de novembro de 1971, a A.A.Iguaçu fazia sua estréia em competições oficiais no Campeonato Paranaense. A ficha técnica da primeira partida:

Estádio Enéas Muniz de Queiroz, em União da Vitória

Associação Atlética Iguaçu x Pinheiros

Nessa mesma estréia da Pantera do Vale também foi a estréia do Pinheiros, antes chamava-se Água Verde.

Final de jogo: A.A.Iguaçu 2 x 2 Pinheiros (gols do Iguaçu, Duda e Bugrão, gols do Pinheiros Madureira e Nei). A arbitragem foi de Plinio Buenas.

A A.A.Iguaçu atuou nessa partida com: Jorge, Ronaldo (Jorginho), Zé Maria, Niri, Santos, Dito Cola, Indio, Gentil, Bugrão, Duda e Chila.

aaiguacu-presidenteCoronel Ricardo Gianordolli

Iguaçu-time-1984

Iguaçu-time-2006

Iguaçu-time-2009

A campanha no Campeonato Paranaense

Após a estréia Iguaçuana em competições oficiais, a equipe permaneceu na primeira divisão de 1971 até 1980. Em 1980, é rebaixada para segunda divisão, ficando até 1987. Nesse ano, o Pantera do Vale é conquista o título de Campeão da Segunda Divisão do Paraná e volta para a Primeira Divisão. A partida decisiva foi contra o Operário de Ponta Grossa no dia 13 de setembro em Ponta Grossa, terminou em 3 a 1 pro Iguaçu gols do Mica, Josemar e Biro-Biro e Nilson para o Operário de P. Grossa.
Feito este que se repetiu em outras duas oportunidades. Entre rebaixamentos e acessos, o Iguaçu conquistou mais dois troféus da segundona: 1992 e 1996.

Em 1988, a equipe de União da Vitória participou da Terceira Divisão do Campeonato Brasileiro, na época o módulo AZUL, não tendo boa classificação. 1993, marca um novo rebaixamento da equipe da segunda divisão paranaense.
Após um recesso nas suas atividades a partir do final de 1997,a equipe retornou ao futebol profissional em 2005 ,disputando a Divisão de Acesso e conquista o título com uma rodada de antecipação, subindo novamente para a Primeira Divisão em 2006. Mas com denúncias de outros clubes a A.A.Iguaçu acusava de utilizar jogador irregular em uma partida, perde 6 pontos e fica em terceira colocada perdendo o título e a vaga da Primeira Divisão.

Mas com a fusão de ADAP/Galo Maringá e a desistência do União Bandeirantes na Primeira Divisão abre uma vaga para a inclusão do Iguaçu no Campeonato Paranaense da Primeira Divisão/2007.
Após uma péssima campanha na 1ª Copa Paraná, a equipe se desligou da fracassada parceria com a empresa Europa Sport (atualmente sub judice), realizando para o Campeonato de 2009, uma parceria com o Paraná Clube (também participante do mesmo Campeonato), ao qual este, em troca da cota de televisionamento que o clube teria direito, forneceria um plantel completo de jogadores e comissão técnica, sem ônus para o Iguaçú. Esta parceria até hoje é odiada e criticada pelos torcedores, pois se demonstrou na prática um desastre, pois o Paraná mandou jogadores de baixíssimo nível técnico, o que ocasionou o rebaixamento do clube, na última colocação (15ª), com apenas 14 pontos, em 42 disputados. Um exemplo clássico de que a parceria com o Paraná foi nefasta para o clube, basta ver que na última rodada da 1ª Fase, no dia 25.3.2009, ambas as equipes jogariam entre si em Curitiba; o Paraná lutando para se classificar no G-8 (2ª Fase), com 17 pontos, e sem risco de rebaixamento, e o Iguaçú lutando contra o rebaixamento; o placar foi de 4×1 para o Paraná (se o Iguaçú vencesse, estaria livre do rebaixamento), demonstrando que tal parceria foi apenas em benefício do clube da Capital, e revelando a falta de experiência da então nova diretoria do Iguaçú, despreparada ante o mundo malicioso que é o futebol de campo.

AA Iguaçu, uma das maiores e tradicionais equipe do Paraná, teve a sua média de publico em 2009, no Campeonato Paranaense, de 8 mil pessoas (foi a terceira maior média do Estado, perdendo apenas para o Atletico-PR, e Coritiba, tradicionais clubes da Capital), e a maior do interior.Novamente sob o comando (contestado) de Odenir Borges, em 2010, o Iguaçú iria participar da 2ª Divisão (Série Prata), mas por pendências financeiras perante a FPF, não participou do Arbitral (e brigas com o Presidente da FPF), sendo automaticamente rebaixado para a 3ª Divisão (Série Bronze) de 2010; tentou na Justiça Desportiva a manutenção naquela Divisão, sem sucesso. Como as pendências finaceiras e a briga com a FPF permaneciam, não pode participar da 3ª Divisão de 2010.

Nesse período um outro time jogou representando a cidade, o Iguaçu Agex Futebol Clube, conhecido mesmo como Iguaçu Agex. A princípio iria se chamar apenas Agex mas a pedido da prefeitura, incluíram o nome do rio “Iguaçu” antes do nome para ganhar mais simpatia dos moradores da cidade. Com isso criou-se uma confusão entre o tradicional Iguaçu e o novo clube Iguaçu Agex (essa confusão não ocorreu em Maringá entre Grêmio Metropolitano e Grêmio Maringá). A realidade é que a FPF indicou a utilização do estádio municipal de União da Vitória pois o Iguaçu estava suspenso e não participaria do campeonato. O Agex começou na 3ª Divisão em 2010, mandando seus jogos em União da Vitória, sagrando-se vice-campeão, subindo para a Série Prata em 2011. Rumores diziam que este clube mandaria seus jogos em 2011, em São José dos Pinhais, o que não ocorreu. Em 2012, o Iguaçu Agex pagou caro por não ter mudado de cidade, pois a juíza de União da Vitória equivocadamente (sem documentos comprobatórios), permitiu que as dívidas trabalhistas da A. A. Iguaçu fossem repassadas ao novo clube, ou seja, aceitou o pedido dos credores para colocar o Iguaçu Agex no polo passivo das dívidas da A. A. Iguaçu. O novo clube, embora conseguindo um ótimo resultado no campeonato em seu primeiro ano, não consegui patrocínio algum na cidade. Tendo ainda que arcar com essas despesas extras, não teve como se manter e foi obrigado a encerrar as atividades na cidade, cedendo a vaga no campeonato que foi ocupada pela equipe do Andraus.

Jogo Épico

No Campeonato Paranaense de 1993, o gol de Sérgio Dias, aos 40 minutos do segundo tempo, em União da Vitória, decretou a quebra de um tabú que durava 22 anos, ou seja, desde a sua fundação, a AA Iguaçu nunca havia vencido o Atlético Paranaense.

Narração de Luiz Carlos Scrok e comentários de Nico.

estadio-antiocho-pereira
Estádio Municipal Antiocho Pereira

O Estádio

O clube manda seus jogos no Estádio Municipal Antiocho Pereira, construído em 1987, com capacidade para 12 mil pessoas, que substituiu o antigo Estádio Enéas Muniz de Queiroz, demolido pela Rede Ferroviária Federal. O Antiocho Pereira foi construído com material recolhido na antiga Arena da Baixada (hoje Kyocera Arena, estádio do Atlético-PR), como traves, sistema de iluminação e arquibancadas — o jornal Gazeta do Povo não cota as traves da antiga Arena da Baixada como parte do material usado em União da Vitória.